Minas registra alta de 81% em colisões entre pássaros e aviões

aves e avioesAves próximas a aeroportos e aproximações perigosas são responsáveis pelos casos. Nova lei exige medidas

Os mesmos pássaros que despertaram nos homens o desejo de voar são agora perigo constante num céu cortado por aviões e helicópteros. Registros de avistamentos, colisões e quase colisões entre aves e aeronaves em Minas Gerais subiram 81% em relação ao ano passado, saltando de 111 para 201, de acordo com o Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa). Desse total, 93 foram batidas, contra 55 no ano passado – um aumento de 69%.

O crescimento das ocorrências em Minas superou o nacional e fez com que o estado pulasse da 12ª para 5ª posição entre as unidades da Federação com mais casos do tipo . As notificações aumentaram 23% no país – de 2.949 para 3.635 – e as colisões 9,6% – de 1.458 para 1.598. O Aeroporto Internacional Tancredo Neves, em Confins, foi o que registrou maior número de colisões no estado, com 23. Apesar do menor tráfego aéreo, o aeroporto da Pampulha, ao lado da lagoa, foco atrativo para aves, teve 22 colisões. O tenente Romildo Moreira, adjunto da seção de gerenciamento do risco aviário do Cenipa, afirma que o salto dos registros em Minas se deve a um esforço da Aeronáutica focado no estado, onde foram mapeados todos os pontos atrativos de aves num raio de 20 quilômetros dos aeroportos. “Os dados começam a refletir mais a realidade do problema”, afirma.

Um reforço para resolver o problema é a entrada em vigor, em abril do ano que vem, da Lei Federal nº 12.725. A norma regula o controle da fauna nas imediações dos aeródromos e impõe regras a serem cumpridas dentro da chamada área de segurança aeroportuária (ASA). Trata-se do perímetro, com raio de 20 quilômetros a partir do aeroporto, em que são proibidas ou controladas atividades que atraem pássaros.

Com inquérito aberto para apurar a segurança aeroportuária em Minas, o Ministério Público (MP) estadual se apoia na nova lei para cobrar a implantação da área de segurança. “Antes, havia uma legislação muito antiga e uma dificuldade de aplicação”, afirma o coordenador-geral das Promotorias de Defesa do Meio Ambiente, Carlos Eduardo Pinto.

Coordenador do curso de manutenção aeronáutica da universidade Fumec, o engenheiro aeronáutico Rogério Parra, que é também piloto, afirma que o aumento das ocorrências envolvendo aves e aeronaves tem duas razões principais. “O crescimento das cidades aumenta a produção de lixo, e os urubus, sobretudo, são atraídos por causa da sujeira. Além disso, a movimentação aérea cresceu”, afirma Parra, que critica o controle dos focos atrativos. “Não há o cumprimento das restrições das áreas de segurança aeroportuária”, opina.

Estado de Minas Noticias.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Codigo de seguranca *