Sanhaço-cinzento

Sanhaçu-cinzento
O sanhaçu-cinzento é uma ave passeriforme da família Thraupidae. Também conhecido como sanhaçu-do-mamoeiro, sanhaçu, sanhaçu-comum, sanhaçu-da-amoreira, e no Nordeste como pipira-azul e sanhaçu-azul (Natal/RN). É uma das aves mais comuns do país, conhecida por realizar acrobacias em meio a disputa por frutas com outros pássaros.

Nome Científico

Seu nome científico significa: do (tupy) tangará, ata = andar; e carã = em volta; e do (tupy) saí-açu, = nome indígena tupy para um pássaro muito ativo ou para identificar várias espécies do gênero Tangará; Sayacu de Marcgrave (1648),(Thraupis). ? Pássaro dançarino Sayacu.

Características

Com tamanho aproximado de 18 centímetros e 42 gramas de peso (macho), tem o corpo cinzento, ligeiramente azulado, com as partes inferiores um pouco mais claras. A cauda e as pontas das asas são azuis-esverdeadas, porém pouco contrastantes. Os imaturos são esverdeados. Pode ser confundido com o sanhaçu-de-encontro-azul, porém o último é muito mais azulado, especialmente no encontro da asa e também possui o bico maior. É sem dúvida o sanhaçu mais comum em nosso país. Tem um canto longo, entrecortado pelo som de notas altas e baixas.

ESPÉCIE SEM DIMORFISMO SEXUAL

Subespécies
Possui três subespécies:

Tangara sayaca sayaca (Linnaeus, 1766) – ocorre do Paraguai até o nordeste Brasil, sudoeste do Peru, Uruguai e nordeste da Argentina;
Tangara sayaca boliviana (Bond & Meyer de Schauensee, 1941) – ocorre no norte da Bolívia (Rio Beni até Río Mapiri);
Tangara sayaca obscura (Naumburg, 1924) – ocorre na região centro sul da Bolívia até o este da Argentina .
(Clements checklist, 2014)

Indivíduos com plumagem leucística

O que é leucismo?

O leucismo (do grego ??????, leucos, branco) é a falta de pigmentação em parte do corpo de algum animal, podendo ter fundo genético (hereditário ou não), metabólico ou até de alimentação. O resultado normalmente são regiões corpóreas de coloração branca, em maior ou menor extensão, onde naturalmente deveria ocorrer alguma pigmentação. Indivíduos irregularmente manchados de branco são também comumente chamados de “arlequim”. Ao contrário do albinismo, que é a ausência completa de melanina, o leucismo pode envolver outros tipos de pigmento.

Mesmo indivíduos leucísticos completamente brancos podem ser diferenciados de indivíduos albinos: a cor do olho no primeiro é normal, enquanto no albino os olhos são vermelhos.

Alimentação

Frutos, folhas, brotos, flores de eucaliptos e insetos, entre estes os alados de cupim (“aleluias” ou “siriris”) capturados em voo. Vive normalmente na copa das árvores em busca dos frutos maduros, mas é intrépido o suficiente para apanhar também os caídos, preferindo até os que já estejam infestados de larvas e desfrutando-os com outras aves, como a saíra-amarela e o sabiá-da-praia. Aprecia muito os frutos do tapiá ou tanheiro (Alchornea glandulosa). Costuma frequentar comedouros com frutas.

Reprodução

O ninho, construído pelo casal, é compacto, feito de pequenas raízes, musgos e pecíolos foliares, com um diâmetro externo de cerca de 11 centímetros. Fica escondido na vegetação densa, numa forquilha de árvore, em alturas variáveis. A fêmea põe de 2 a 3 ovos de cor branca, pintados de marrom, semelhantes ao dos sabiás, só que menores, e é responsável pela incubação, que dura de 12 a 14 dias. O casal alimenta os filhotes, que deixam o ninho após 20 dias de idade.

Hábitos

Quando um macho apronta-se para agredir outro, seu canto torna-se rouco e monótono. Anda quase sempre em casais ou pequenos bandos. Também é visto junto com outra espécie de sua família, como o sanhaçu-do-coqueiro, cujo canto é bem parecido.

Predadores: Teiú

Distribuição Geográfica

Ocorre nas regiões tropicais e subtropicais ao sul da Amazônia e a leste dos Andes.

Fonte Wikiaves

Ler mais

Zaragateiro de Jardine

Também chamado de zaragateiro-castanho (português); cratérope Fleche (Frances); turdoide de Jardine (espanhol); braundrossling (alemão)
Arrow-marked babbler Turdoides jardineii
Taxonomia:
Ordem Passeriformes
Timaliidae Família
Região:
Esta espécie Africano ocorre a partir de Uganda, através de Angola, Tanzânia, norte de Moçambique e Zâmbia, e na África do Sul.

zaragateiro-de-jardine-41706

Tamanho:
Estas aves são 21-25 cm de comprimento e pesam 55-85 g.
Habitat:
O Zaragateiro de Jardim é encontrado em florestas de savana úmida, preferindo aglomerados de arbustos e matagais entre cupinzeiros. Eles também ocupam seca ribeirinha floresta, perturbado floresta com grama densa, canaviais, plantações de árvores exóticas e fazendas e jardins suburbanos.
Dieta:
Alimentam-se em grupos no chão e na vegetação rasteira, principalmente levando invertebrados como cupins, gafanhotos, besouros, mariposas e lagartas, moscas e formigas. Eles também comem sementes, frutas e néctar de plantas.

zaragateiro-de-jardine-9675

Reprodução:
Eles são criadores de cooperação, que vivem em grupos sociais de 3-15 aves que defendem um território comum. Eles constroem um copo sujo de galhos, grama seca, caules de plantas e pecíolos de folhas revestidas com material mais fino, colocado na densa folhagem de uma árvore, arbusto, pilha de troncos, junco cama ou uma cavidade em uma árvore morta. Há a fêmea põe 2-5 ovos azuis que são incubados por todos os membros do grupo de 13-17 dias. Os filhotes são cuidados e protegidos por todos os membros do grupo e emplumam 18-21 dias após a eclosão.
Conservação:
Esta espécie tem uma gama muito grande de reprodução e é descrita como comum. A população é suspeito de ser estável na ausência de evidência para qualquer declínio atuais ou ameaças substanciais.
Ler mais

Aves são apreendidas em feira de Maribondo

Militares do Batalhão de Polícia Ambiental (BPA) apreenderam, na manhã deste domingo  (12), cerca de 50 pássaros que estavam sendo vendidos ilegalmente em uma feira na cidade de Maribondo, interior de Alagoas.

Após denúncias, os agentes chegaram ao local da feira e constataram a venda ilegal das aves.  Os comerciantes fugiram, mas foi possível resgatar as aves, muitas delas ameaçadas de extinção.

As pessoas que são flagradas comercializando pássaros ilegalmente são levadas para a  delegacia, onde é feito um Termo Circunstanciado de Ocorrência (TCO), e pagam multas que variam  de R$ 500 a R$ 5 mil. Neste caso, os comerciantes fugiram e não foi possível penaliza-los.

Entre as espécies resgatadas estavam Guriatã, Canário da Terra, Papa Capim e Galo de  Campina. As aves foram encaminhadas para o IBAMA (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos  Recursos Naturais Renováveis) em Maceió (AL).

Ler mais