Jacu

jacuJACU (Penelope obscura)

Características – também conhecido como jacuguaçu, mede 73 cm de comprimento. Sua plumagem é verde-bronze bem escura. Manto, pescoço e peito finamente estriados de branco. Pernas anegradas. Asas grandes e arredondadas. O macho possui a íris vermelha e a fêmea, castanha. Ambos apresentam uma barbela vermelha na garganta.
Habitat – mata alta.

Ocorrência – sudeste e sul do Brasil, de Minas Gerais e Rio de Janeiro até o Rio Grande do Sul; Uruguai, Paraguai, Argentina e Bolívia. No Rio de Janeiro ocorre nas montanhas, em São Paulo na Serra do Mar e no litoral.
Hábitos – o sinal de excitação é abrir e fechar impetuoso da cauda. Têm o tique de sacudir a cabeça. À tardinha, antes de empoleirar-se, tornam-se muito inquietos, sendo tal nervosismo aparentemente ansiedade para achar um bom lugar de dormida. Voa relativamente bem apesar de sua capacidade de vôo ser reduzida. Vive nas árvores das florestas, descendo ao solo muitas vezes para alimentar-se.

jacu
Alimentação – frutas, folhas e brotos. Bebem na beira dos rios. O ato de beber se assemelha ao dos pombos, é um processo de sugar, com o bico mantido dentro d’água, notando-se a ingestão do líquido pelo movimento rítmico da garganta.
Reprodução – monógamos. Os machos dão comida à sua fêmea, virando e abaixando gentilmente a cabeça, como os pais alimentam os filhos. O casal acaricia-se na cabeça. Conhece-se pouco sobre as cerimônias nupciais dessas aves. O par faz um ninho pequeno nos cipoais, às vezes no alto das árvores ou em ramos sobre a água ou ainda em troncos caídos. Aproveitam também os ninhos abandonados de outras aves. Pode instalar-se sobre um galho entre gravatás cujas folhas ela pisa, obtendo assim um ninho. Os ovos são grandes, uniformemente brancos. O período de incubação é de 28 dias. As ninhadas são de dois a três filhotes
Ameaças – o desmatamento e a caça indiscriminada reduziram drasticamente a população dessas aves. É necessário aproveitar-se da boa potencialidade de reprodução em cativeiro para se obter espécimes a serem utilizados em programas de repovoamento. Muito apreciada como caça, está em extinção.

 

Ler mais

Jacu de estalo

Jacu de estaloJACU DE ESTALO (Neomorphus geoffroyi)

Características – é um cuculídeo de grande porte com assa arredondada de regular tamanho, cauda longa, bico grande e forte, curvado e amarelado.

Pernas de tamanho regular, fortes, pé grandes com dedos e unhas bem fortes. Sexos semelhantes. A coloração do topete é pardo-ferrugínea com extremidade negro-azulada, dorso azul-ferrete esverdeado. Cauda parda-púrpura com a extremidade possuindo uma faixa verde-escura. Garganta e peito amarelados com pintas pretas e uma faixa de cor negra separando o peito do abdômen. Abdômen amarelo-canelado com região mais baixa avermelhada. A fêmea tem coloração mais opaca. A íris é amarela e castanha. Região post-ocular com pele azul pouco mais opaca.
Habitat – florestas virgens e secundárias

Ocorrência – Minas Gerais e Espírito Santo

Hábitos – vive solitário ou em casais. Ataca rapidamente suas presas com os pés e o bico. Percorre o solo, ramagens espinhentas de aceiros florestais. Ao correr pelo sole, eleva a cauda na vertical, abrindo-a em leque durante a caçada. O estalido que produz com o bico assemelha-se a de um reco-reco, ora com algumas notas ora em disparada.

Alimentação – insetos como a formiga, besouro e gafanhoto, escorpiões, aranhas, miriápodes, vermes, moluscos, camaleões e lagartixas.

Reprodução – postura com 2 a 3 ovos e o período de reprodução se dá entre outubro e janeiro. Ovo de coloração branca, medindo 45 x 33 mm em seu eixo e pesando 30 g. A incubação é realizada pela fêmea.
Ameaças – seriamente ameaçada de extinção devido à destruição do habitat e à caça.

Ler mais

Jacupemba

JACUPEMBA (Penelope superciliaris)

Características – mede 55 cm de comprimento e pesa 850 g. Apresenta um rudimentar topete, asas com largas bordas ferrugíneas bem distintas e peito com desenho esbranquiçado. Íris vermelha em ambos os sexos. Distingue-se das outras espécies do gênero por ter as coberteiras das asas orladas de castanho. As penas da cabeça, do pescoço e do peito são orladas de cinzento-claro. Sobre os olhos corre uma estria branca.

Habitat – mata, também capoeira baixa, capões de mata no cerrado.
Ocorrência – do sul do Amazonas e Madeira, pelo Brasil central, Nordeste e Brasil merídio-orienta, até o Paraguai.
Hábitos – o sinal de excitação é abrir e fechar impetuoso da cauda. Têm o tique de sacudir a cabeça. À tardinha, antes de empoleirar-se, tornam-se muito inquietos, sendo tal nervosismo aparentemente ansiedade para achar um bom lugar de dormida. Gosta de lugares quentes.
Alimentação – frutas, folhas e brotos. Bebem na beira dos rios. O ato de beber se assemelha ao dos pombos, é um processo de sugar, com o bico mantido dentro d’água, notando-se a ingestão do líquido pelo movimento rítmico da garganta.

jacupemba
Reprodução – monógamos. Os machos dão comida à sua fêmea, virando e abaixando gentilmente a cabeça, como os pais alimentam os filhos. O casal acaricia-se na cabeça. Conhece-se pouco sobre as cerimônias nupciais dessas aves. O par faz um ninho pequeno nos cipoais, às vezes no alto das árvores ou em ramos sobre a água ou ainda em troncos caídos; aproveitam também os ninhos abandonados de outras aves. Os ovos são grandes, uniformemente brancos. O período de incubação é de 28 dias. As ninhadas são de dois a três filhotes.
Ameaças – o desmatamento e a caça indiscriminada reduziram drasticamente a população dessa espécie. É necessário aproveitar-se da boa potencialidade de reprodução em cativeiro para se obter espécimes a serem utilizados em programas de repovoamento.

jacupemba

 

Ler mais

Jacutinga

JacutingaJACUTINGA (Pipile jacutinga)

Características – é uma das aves mais impressionantes da Floresta Atlântica. É negra com riscas brancas por todo o corpo. As penas do alto da cabeça (píleo) são brancas, além de bastante alongadas e eriçáveis.

Possui a face toda emplumada de negro, com região perioftálmica nua, branco-gesso. Ainda, possui a base do bico azulada. A barbela, provida de pouquíssimas penas é vermelha em sua porção posterior, enquanto que a anterior é dividida em uma área lilás superior e outra azul brilhante, inferior. O colorido da barbela torna-se bastante acentuado durante o período reprodutivo, enquanto que fora deste, as cores ficam esmaecidas e mesmo a barbela encolhe.
Habitat – floresta atlântica primitiva sendo bastante exigente quanto a esse ambiente.
Ocorrência – típico da região Sudeste do Brasil, era encontrada na região da Serra do Mar em qualquer altitude, em locais acidentados, semeados de rochas e cobertos por mata espessa, onde nidificava
Alimentação – aprecia muito o fruto do palmiteiro
Reprodução – como os demais representantes da família, são monogâmicos, ou seja: possuem apenas um parceiro. Podem fazer posturas sobre galhos grossos, ramificações de troncos e rochas quase sem material de construção. Os ovos são brancos e o período de incubação é de 28 dias. Os filhotes já nascem com os olhos abertos, e movimentam-se livremente apesar de sempre acompanhados pela mãe, abrigando-se sob sua cauda ou suas asas. Mesmo empoleirados, enquanto seu tamanho lhes permitir, abrigam-se embaixo das asas da mãe durante o seu desenvolvimento.
Ameaças – em decorrência da caça, do tráfico de animais selvagens e da inclemente destruição de seu habitat natural, notadamente a Floresta Atlântica, a espécie desapareceu da maioria dos locais onde era encontrada habitualmente. Está ameaçada de extinção. Atualmente, apesar de admitir-se que a espécie tenha sua distribuição para o Brasil desde o sul da Bahia até o Rio Grande do Sul, é na verdade de ocorrência bastante pontual.

 

Ler mais

Jandaia

JANDAIA (Aratinga jandaya)

Características – periquito com plumagem amarela viva no ventre, dorso verde, asas com algum colorido azul, com extremidade enegrecida.

Habitat – áreas abertas e coqueirais
Ocorrência – nordeste do Brasil
Hábitos – vivem em bandos de até 20 cabeças que quando podem invadem lavouras de milho causando grandes estragos. Muito vivos.
Alimentação – sementes e frutas
Ameaças – caça, tráfico de animais e destruição do habitat

Ler mais

Jaburu

Família: Ciconiidae  Espécie: Jabiru mycteria

Comprimento: 140 cm; altura: 107 cm; envergadura: 260 cm; peso: 8 kg. Presente desde a Região Norte até São Paulo, Santa Catarina e Rio Grande do Sul.

Encontrado também desde o México até o norte da Argentina, Paraguai e Uruguai. Habita campos com árvores esparsas às margens de grandes rios e lagos, campos úmidos, pantanais e pastagens com lagoas. Fora do período reprodutivo pode ser visto solitário, em pares ou em grupos de até centenas de indivíduos.     As maiores populações ocorrem no Pantanal de Mato Grosso, onde foi escolhido como animal símbolo, e no Chaco Oriental, no Paraguai. Caça suas presas tanto em campos secos de gramíneas quanto em alagados. Bom planador. Faz ninhos isolados ou em grupos de até 6, às vezes junto a outras garças, sobre árvores altas ou palmeirais. Põe de 2 a 5 ovos brancos. É caçado clandestinamente na Amazônia. Conhecido também como jabiru, tuiuiú, tuiuguaçu, tuinim, tuim-de-papo-vermelho (Mato Grosso), cauauá (Amazônia), tuiuiú-coral e jaburu-moleque.

OUTRO NOME: tuiuiú
NOME EM INGLÊS: Jabiru
NOME CIENTÍFICO: Jabiru mycteria
FILO: Chordata
CLASSE: AVES
ORDEM: Ciconiformes
FAMÍLIA: Ciconiidae
HABITAT: Pântanos
ALTURA: 1,15 m
COMPRIMENTO DO BICO: 30 cm
COMPRIMENTO DAS ASAS: 62 cm
COMPRIMENTO DA CAUDA: 20 cm

O tuiuiú ou jaburu (Jabiru mycteria), uma das maiores aves da América do Sul e o símbolo do Pantanal, além do seu tamanho, chama a atenção pelo seu enorme ninho feito de galhos de arbustos secos, construído em árvores como o “manduvi” (Sterculia striata), a “piúva” (Tabebuia impetigosa) ou em troncos de árvores mortas.

O Jaburu é uma ave de corpo robusto e chega a medir 1,15m de altura. O bico, grosso e afilado na ponta, tem 30 cm de comprimento. O pescoço é preto e a parte do papo, dotada de notável elasticidade, é vermelha. A cor predominante das penas no indivíduo adulto, é branca.

Ele vive em bandos numerosos nas zonas de lagoas e rios piscosos, pois consome uma quantidade incrível de peixes. O ninho é feito com ramos entrelaçados no alto das árvores. Na época da incubação, enquanto um choca dois ovos, o outro fica de pé sobre a beirada do ninho em constante vigília.

O jaburu tem grande capacidade de vôo, elevando-se a grandes altitudes. Quando descansa, na margem do rio ou lagoa, costuma ficar em uma só perna. Seu andar é deselegante e vagoroso. Alimenta-se além de peixes, de moluscos, anfíbios. Sua distribuição geográfica vai do sul do México até a Argentina, mas não é encontrado na parte ocidental dos Andes.

Ler mais