INHAMBUGUAÇU

INHAMBUGUAÇU (Crypturellus obsoletus)

inhambuguaçu

Características – mede 29 cm de comprimento. Possui colorido muito peculiar, castanho-chocolate-escuro com o manto (parte bem abaixo do bico) e garganta cinzentos, alto da cabeça cinzento-escuro e pernas esverdeadas. O peito é castanho escuro, a barriga amarelada com largas faixas pretas na parte posterior.

Habitat – sub-bosque fechado quer de matas altas ou baixas.
Ocorrência – do Espírito Santo e Minas Gerais até o Rio Grande do Sul, Paraguai e Argentina; populações isoladas ao sul do Amazonas, no sul do Pará e no baixo Tapajós. Também na Venezuela ao Equador e Bolívia. Tem notável adaptação a climas tão diversos como aqueles de montanhas e de baixadas.
Hábitos – desconfiados, imobilizam-se instantaneamente de pescoço ereto, parte posterior do corpo levantada ou deitam-se. Indivíduos assustados por um tiro às vezes fingem-se de mortos.
Alçam vôo apenas como último recurso, sendo o mesmo pesado e retilíneo. São quase incapazes de evitar obstáculos, mas pilotam relativamente bem quando planam para aterrissar.
Alimentação – comem não só bagas, frutas caídas (ex. merindibas, tangerinas  e  coquinhos  de  palmito)  como  folhas  e  sementes  duras.
Procuram pequenos artrópodes e moluscos que se escondem no tapete de folhagem apodrecida. Viram folhas e paus podres com o bico à procura do alimento, jamais esgravatando o solo com os pés como fazem os galináceos. Pulam, às vezes, para pegar um inseto. Bebem regularmente sempre que houver água. Engolem pedrinhas. Os filhotes dependem de alimento animal.
Reprodução – a cor do ovo é chocolate. O macho se incumbe da tarefa de chocar e criar filhotes, sistema de reprodução que envolve a poligamia. Não se empoleiram enquanto se dedicam a essa tarefa.
Predadores naturais – gatos-do-mato, raposas, guaxinins, furões, iraras, gambás, gaviões e corujas. Os ninhos podem ser saqueados por cobras, macacos, gambás e até mesmo pelo tamanduá-bandeira.
Ameaças – caça e destruição do habitat

 

Ler mais

Iratua Grande

Iratua GrandeFamília: Emberizidae Subfamília:  Icterinae   Espécie: Gymnomystax mexicanus

Comprimento: macho 31 cm; fêmea 27 cm. Presente no Brasil apenas na Amazônia, em Roraima, no Amapá e ao longo do Rio Amazonas e do baixo curso de seus afluentes, como o Tapajós e o Tocantins. Encontrado também nas Guianas, Venezuela, Colômbia, Equador e Peru. É comum em campos úmidos com árvores esparsas, praias lodosas, florestas de galeria, vegetação à beira de rios e em ilhas fluviais. Anda no solo de pastagens, onde remexe estrume de gado, e também em beiras de rio.     Pousa em locais abertos de arbustos e árvores baixas. Vive aos pares ou em grupos espalhados e, ocasionalmente, é visto também solitário, sendo de fácil observação. Faz ninho na forma de uma cesta, em forquilhas ou penachos de palmeiras. Põe ovos de coloração azul-clara com marcas marrons.

 

Ler mais