Ventre-Laranja, Laranjinha, Guarda marinho

Amandava subflava

Com massa corporal de 5 a 8 gramas, LARANJINHA está entre os menores Estrildian achados. Apesar da aparência de colorido, esses pequeninos são tão frágeis, mas estão entre os mais resistentes e mais fácies das raças Africanas.
Não se admira que eles são tão populares e estão na lista dos mais desejados pelos admiradores.
A gama de casa dessa jóia aviária é bastante grande e pode-se encontrá-los em muitas partes da África.
A distribuição dos chamados “LARANJINHAS” vai do Quênia até a África do Sul. Considerando que o LARANJINHA está em casa na parte norte da área de uso das espécies.
 Eles habitam a parte norte da Mauritânia até a Etiópia e sudoeste da Arábia, enquanto a terceira sub-espécie A. s. nietha.., que é praticamente inexistente em cativeiro, ocorre no sul da Angola até a Zâmbia e oeste de Malawi. A distribuição das sub-espécies sobrepõem consideravelmente, pois não existem muitos pássaros nessas zonas de fronteiras que se pareçam de forma intermediária que se possa fazer a identificação e, às vezes, torna-se impossível.
a_194_9408
As espécies gostam de terras alagadas e áreas cobertas por gramíneas altas e papiros. Normalmente podem ser encontrados ao longo de rios ou áreas inundadas.
Mas essa espécie não se restringe a essas áreas alagadas, e podem ser encontradas em pastos das planícies superiores, bem como na bordadura das florestas ou no entorno de aglomerações humanas. Surpreendentemente, essa espécie pode ser encontrada a partir das planícies até 2.400 metros de altitude, como no caso da Etiópia.
Esses minúsculos pássaros mostram a enorme flexibilidade em termos de escolha de habitats – um comportamento que se torna fácil para nós oferecermos um ambiente adequado em nossos viveiros.
No campo LARANJINHA se alimenta basicamente de pequenas sementes de gramíneas, que podem ser maduras, mas preferencialmente ainda verdes.

Colahan (1982) enumerou as seguintes plantas como alimento para as espécies: Setaria sphacelata, Rhynchelytrum repens, Digitaria milanjiana, Panicum novenmere e Hyparrhenia cymbaria.S. shacelata, P. novenmere e H. cymbaria também foram encontrados na cultura dos filhotes.
As populações do norte parecem construir seus próprios ninhos, como é costumeiro entre Estrildian. As populações sulinas, no entanto, raramente parecem construir seus ninhos, pois se apossam de ninhos abandonados. Eles restauram um pouco e colocam penas no ninho, de preferência da cor branca.

GoldbrütchenGoldbrütchen
LARANJINHA chegou cedo na Europa e eram as espécies de aves mais fáceis de se conseguir, pois sempre estavam disponíveis para importação. Assim como em muitos casos, eram pássaros comuns e baratos e criou-se um grande interesse. Agora eles começaram a ficar raros e o preço aumentou. Mas ao contrário de muitas outras espécies, há grandes chances de que conseguiremos manter a espécie em cativeiro, mesmo se não for capturado nenhum pássaro selvagem.
Esses amáveis pássaros estão entre os mais resistentes e duradouros que vem à minha mente. A vida útil de 6 a 7 anos é comum, mas também existem aves antigas, como de 10 e 11 anos e são mais comuns em LARANJINHA que em outro Waxbill que eu conheço. Além disso, alguns pares são muito bons reprodutores. Averiguamos um de nossos pares e este criou 54 filhotes durante um período de 6 anos. Eles foram importados do campo, em fase de penas adultas, quando chegamos a eles.
Apesar do pequeno tamanho das aves, estas não devem ser mantidas em gaiolas pequenas. Eles são muito ativos em lugares apertados. Nossa menor gaiola tem dimensão de 1,2 x 0,6 x 0,6 metros. Um canto da gaiola deve oferece cobertura e proteção em forma de palhetas e alguns arbustos fixados na borda. Essas estruturas ajudam muito na aceleração do processo de se estabelecer em um novo ambiente. É muito importante o espaçamento da tela. Os filhotes podem passar entre os vãos.
Os pássaros utilizam todo o viveiro, escondem-se e procuram abrigo na vegetação densa. Como os seus parentes, LARANJINHAS alimentam-se de comida no chão. Provavelmente só o Quail e Locust passam mais tempo em terra. Os LARANJINHAS lidam bem com as temperaturas que ocorrem no sul da Alemanha, e nós mantemos muitos pássaros em viveiros fora da casa, durante o mês de maio até o fim de setembro (primavera).
Muitas vezes, eles ficaram alojados juntamente com variedades de outros Waxbills e a convivência é boa, tirado o intervalo de construção do ninho, e este foi fortemente defendido, não importando se o intruso fosse o dobro do tamanho do defensor – que foi afugentado.
Durante o período em que não há reprodução, LARANJINHA pode ser mantido com outros pássaros da mesma espécie sem problemas.
A perda de penas, pelo fato de outras aves removerem a pena ou o próprio pássaro remove suas próprias penas, não é um problema quando o viveiro fornece alguma vegetação e locais para esconderijo – quanto mais pássaros, mas vegetação se deve ter.
Esses pássaros nunca serão tão domesticados e mansos como Lavender Waxbills, pois eles tendem a manter distância até mesmo quando o criador põe comida e outros atrativos. Mas eles não são como alguns papagaios, que quase entram em pânico.

Felizmente a nutrição não é um pesadelo. Eles não são exigentes, como outras espécies. Logicamente, como são pequenos não devemos oferecer sementes grandes. As sementes minúsculas ajudam a mantê-los ocupados e em condições saudáveis o corpo. Quando eles são forçados a se alimentar de sementes grandes, muitas vezes têm problemas de saúde.
Os pássaros adoram alguma planta verde brotando e nós semeamos algumas gramíneas em vasos pequenos. Quase todas as aves vão imediatamente procurar as plantas.
Para aumentar a prole, nossos pássaros usam uma quantidade considerável de alimento vivo. A comida favorita deles são pupas de formigas frescas e congeladas. Como nunca temos esse alimento em quantidade suficiente, nós ficamos muitos felizes, pois nossos pássaros aceitam também alguns outros insetos pequenos. Como na maioria das aves que se alimentam de comida no chão, o LARANJINHA aceita melhor os novos alimentos se forem oferecidos no chão do viveiro, ao invés de colocar em recipientes e tigelas.
Portanto, temos algumas bandejas em desenvolvimento em laboratório fotográfico. Nós oferecemos uma mistura de solo com sementes germinadas e insetos vivos, bem como alguns ovos. Evidentemente deve-se mudar a mistura todos os dias e fazer a limpeza da bandeja, antes de colocar o novo solo. Esse método é bem aceito pelos LARANJINHAS, pois eles devem, pelo menos, tentar conseguir o alimento. Com esse método tivemos poucos pares que não tomaram conta de seus filhotes.
Alimentos verdes podem ser oferecidos em grande quantidade sem problemas.
No campo, as diferenças sazonais na disponibilidade de alimentos são grandes, com muita comida de alta qualidade na época de reprodução e pouca comida no período em que não se reproduzem.
127-2724_CRW
210_1029Tentamos simular essa sazonalidade uma vez por semana durante a estação não reprodutiva. E durante a reprodução eles receberam todo o alimento. Esse conceito de sazonalidade não só ajuda a manter as aves em boa forma, como também ajuda a sincronizar as aves para a próxima época de reprodução.
Areia, ossos e conchas devem estar disponíveis diariamente, assim como ovos cozidos e cascas esmagadas. Para prevenir a má colocação de ovos, começamos a pulverizar sementes com Nekton MSA à dois meses antes da época de reprodução.
Assim como na comida, os LARANJINHAS não são exigentes na hora de construir o ninho. Eles constroem seus ninhos com matagal denso, bem como caixas artificiais para ninhos. O talento de construção do ninho se difere de indivíduo para indivíduo. Alguns ninhos parecem obra de arquitetura sólida, enquanto que outros se parecem mais com obras modernas, alguns sem tetos, e digamos, bem mal feitos. Essas diferenças são típicas de espécies.
As aves aceitarão capim seco ou fibra de côco como material para a construção do ninho e dentro dele, eles preferem penas brancas. Geralmente o tempo de construção do ninho vai de 2 a 7 dias e o primeiro ovo é colocado antes mesmo do ninho estar pronto. A média de ovos colocados vai de 4 a 6. A incubação leva de 12 a 14 dias. Os filhotes são escuros com penagem amarelada. Quando os primeiros desses capetinhas são manchados no ninho, os pais vão começar a busca por insetos. Nossos pássaros ficaram ocupados por horas cavando na sujeira oferecida nas bandejas. A grande vantagem de oferecer alimentos nessas bandejas é que as sementes permanecem mais tempo vivas e as aves são mantidas ocupadas na busca pelo alimento.

194_9402
Como já foi mencionado, tivemos poucos casos em que nossas aves não conseguiram aumentar sua prole – em todos os casos as aves começaram muito cedo com os esforços pela procriação. Nós nunca tivemos que separar um par porque eles não se combinavam. Parece que as aves não são exigentes na escolha de seus companheiros.
Se tudo ocorrer bem, os filhotes irão empenar em torno de 17 a 19 dias após a eclosão do ovo e muitas vezes voltam para o ninho para se empoleirar nos dias seguintes. Duas semanas depois já estão se alimentando por conta própria, mas se o viveiro é grande o suficiente, não há necessidade de separá-los antes de terminar a troca de penas. Com três meses eles são menores que seus pais. A situação é diferente se o casal reprodutor é mantido em gaiola, porque os filhotes curiosos perturbam a mãe na hora de colocar novos ovos.
Nós raramente fomos capazes de manter os filhotes junto dos pais mais do que 2 semanas, pois após esse tempo o filhote já pode sobreviver e não atrapalhará a fêmea na próxima ninhada. Nunca conseguimos mantê-los mais do que 4 semanas.
Eles podem ser pequenos, mas possuem um canto impressionante. Não só o macho, mas os filhotes podem ser facilmente ouvidos quando imploram por algo, com apenas 4 ou 5 dias.
Até chegarem as penas, eles criarão muitos ruídos, mas honestamente, não existe um ruído tão doce do que um LARANJINHA saudável, implorando altamente por algo.
Eu espero que muitos amantes dos LARANJINHAS terão o prazer de ouvir esse doce barulho no futuro.

 
Ler mais

Gaviotinha monja

É um pássaro de cor cinza escuro, com algumas plumas brancas, é caracterizado pelo seu bigode branco de destaque e pele amarela.  Mede aproximadamente 40 cm e possui bicos de cores alaranjadas, possui coloração cintilante semelhante a um pombo comum.

Voa com agilidade sobre os mares que cercam as costas, caçando pequenos peixes que ficam na superfície e também se alimentam de crustáceos e restos de alimentos de leões-marinhos e outros animais. Faz ninho em rochas, falésias e montanhas próximas ao mar, não possui predador direto.

É uma ave marinha que habita a América do Sul. Se encontra em regiões costeiras do Peru e Chile. É a única ave de nome científico Larosterna inca – Inca Tern -, é da família dos Charadriformes.

 

Ler mais

Gaivota Rapineira Comum

Comprimento: 41 cm.

Espécie migrante do hemisfério norte, presente no Brasil ao longo do litoral, ocasionalmente subindo os rios Amazonas e Negro, chegando até Roraima.

Se reproduz nas áreas mais ao norte do continente americano, migrando durante o inverno tanto para a costa do Oceano Pacífico, atingindo o Estreito de Magalhães, no sul do Chile, quanto para a costa do Oceano Atlântico, até a Terra do Fogo, no sul da Argentina, período em que atinge o Brasil.

É encontrada também em outras áreas costeiras do planeta, como no litoral da Europa. Passa a maior parte do tempo no oceano, a poucos quilômetros da costa, voltando para a terra no período reprodutivo. A maior parte de seu alimento no mar é roubada de outras aves marinhas, as quais persegue em vôo forçando-as a soltar os peixes que haviam capturado. Em terra, alimenta-se também de pássaros e de seus ovos, ratos, insetos e frutos.

Conhecida também como bandido, rabo-de-junco, dizimeiro e mandrião-parasítico.

Ler mais

Galo da Serra

galodaserra

Habitat

Ocorre em regiões montanhosas e florestais do extremo Norte do Brasil, Amazonas, Pará, Roraima, regiões sul e sudoeste da Guiana, sul da Venezuela, Suriname e Guiana Francesa e leste da Colômbia. Chegam a medir até 28 cm de comprimento; os machos possuem exuberante plumagem alaranjada, uma proeminente crista em forma de meia-lua que cobre o bico. As fêmeas, por sua vez, possuem plumagem marrom-escura com crista menos evidente. Também são conhecidos pelos nomes de galo-da-rocha e galo-da-serra-do-pará.

Vive e habita as florestas escarpadas entrecortadas por igarapés e pequenos cursos d´água.

Acasalamento

O ritual para a escolha dos pares é um espetáculo extraordinário. Na época reprodutiva os machos se agregam formando os leks. As arenas, local onde os machos fazem displays, são compostos por pequenas clareiras que são abertas involuntariamente por eles, durante as exibições individuais. Os machos descem para as clareiras onde são feitos os cortejos e as exibições não ocorrem ao mesmo tempo, devendo haver alguma hierarquização entre eles que determina quem é o primeiro. Não ocorre exibição de mais de um macho ao mesmo tempo. As fêmeas tem aparições relâmpagos e a presença delas determina o ritmo de atividade dos machos. O macho que se apresenta, salta alternadamente em circulo, em sentido horário emitindo fortes chamados e exibe as penas da cauda e as filigranas para a fêmea que o assiste. Quando a fêmea “simpatiza” com o macho que se exibe, rapidamente ela desce até a clareira e é copulada por ele, evento que ocorre em fração de segundos, então a fêmea parte. Nem sempre os machos, que são polígamos, se exibem com sucesso cortejando a fêmea.

A fêmea bota 1 a 2 ovos brancos com pintas marrons. O ninho em forma de tigela é feito de lama, gravetos, fibras vegetais e resina vegetal, instalado em fendas úmidas de penhascos rochosos e entradas de grutas, geralmente localizados próximo a um curso d’dágua. O macho não tem participação na construção do ninho, na incubação dos ovos e nem na alimentação da prole.

Alimentação

Sua dieta é principalmente a base de frutas e com isso desempenham um papel importante na dispersão das sementes de várias espécies de árvores florestais, principalmente nos locais onde são feitas os cortejos pré-nupciais e nos ninhos. Além de frutos, ele inclui na dieta insetos e pequenos vertebrados, principalmente na alimentação dos filhotes no ninho.

Predadores

Os predadores naturais do galo-da-serra incluem as seguintes espécies: gavião-de-penacho (Spitzaetus ornatus), uiraçu-falso (Morphnus guianensis), gavião-pomba-da-Amazônia (Leucopternis albicollis), gavião-preto (Buteogallus urubitinga), gavião-bambachinha-grande (Accipiter bicolor), gavião-relógio (Micrastur semitorquatus), onça-pintada (Panthera onca), puma ou suçuarana (Puma concolor), jaguatirica (Leopardus pardalis) e a cobra Boa constrictor. Os galos-da-serra constituem alvos fáceis de predadores terrestres quando estão no solo da mata, cortejando fêmeas. Já predadores aéreos como os gaviões cosntumam atacá-los nas imediações das arenas.

Apesar de ser comum encontrá-lo na região em que habita e ser apreciado por colecionadores de pássaros de gaiolas, o Galo-da-serra é avaliado como “Pouco Preocupante” na Lista Vermelha de espécies ameaçadas da IUCN.

galo da serra

 

Referências

* Haemig PD 2007 Ecologia do Galo-da-Serra. ECOLOGIA.INFO #1

* Omena Junior e Martins, 2007, Comportamento reprodutivo e caracterização de sítios de reprodução de

galos-da-serra (Rupicola rupicola) no Amazonas, Revista Brasileira de Ornitologia 15 (1) 81-84, março.

* Omena Junior, 2009, Comportamento do galo-da-serra Rupicola rupicola

(Cotingidae) no município de Presidente Figueiredo, Amazonas, Brasil. Revista Brasileira de Ornitologia, 17(2):87-95, Junho

* (em inglês) BirdLife International (2004). Rupicola rupicola. 2006 IUCN Red List of Threatened Species. IUCN 2006. Acesso a 03.11.2007.

 

Ler mais