Novos tempos, novas propostas de vida: mas o coleiro persiste!

O famoso canto tui tui de quem já andou em campos abertos ou capinzais do Brasil não se deixa enganar: lá está um coleiro, ou também conhecido como papa-capim.

Coleiro macho 2- foto Luis Florit

Mas para além deste seu habitat natural, o coleiro também foi uma espécie que fez e ainda faz muito sucesso entre os criadores de pássaros e entre a meninada em geral. Quase todos que já tiveram uma gaiola num cantinho da casa, já tiveram um coleiro. De fácil cuidado, alimentado basicamente por alpiste, este belo pássaro costumava ser símbolo dos meninos de antigamente, naquela fase em que eles paravam de atirar em pássaros para criá-los.

É claro que o mundo mudou, que já não se admira mais menino que caça passarinho e quase nem mesmo aqueles que os criam em gaiolas. Mas a verdade é que este símbolo de passagem da vida infantil para a adulta, do menino que caçava para o adulto que cuidava, marcou muitas gerações e tinha em si um papel tão educativo quanto hoje cumpre esse papel a consciência ambiental.

Novos tempos, novas propostas de vida. Mas o coleiro persiste. E porque não lembrar então de lindo texto daquele que foi o mais talentoso cronista deste país: Rubem Braga. Quem tiver um tempinho, leia o texto dele abaixo. É delicioso e marcante como os tuís nos capinzais.  (por Thiago Majolo)

[caption id="attachment_2046" align="aligncenter" width="620"]Coleiro femea - foto Luis Florit Coleiro femea – foto Luis Florit[/caption]

CONVERSA DE COMPRA DE PASSARINHO

          Entro na venda para comprar uns anzóis e o velho está me atendendo quando chega um menino da roça, com um burro e dois balaios de lenha. Fica ali, parado, esperando. O velho parece que não o vê, mas afinal olha as achas com desprezo e pergunta: “Quanto?” O menino hesita, coçando o calcanhar de um pé com o dedo de outro. “Quarenta”. O homem da venda não responde, vira a cara. Aperta mais os olhos miúdos para separar os anzóis pequenos que eu pedi. Eu me interesso pelo coleiro do brejo que está cantando. O velho:

– Esse coleiro é especial. Eu tinha aqui um gaturamo que era uma beleza, mas morreu ontem; é um bicho que morre à toa.

Um pescador de bigodes brancos chega-se ao balcão, murmura alguma coisa: o velho lhe serve cachaça, recebe, dá troco, volta-se para mim: “- O senhor quer chumbo também?” Compro uma chumbada, alguns metros de linha. Subitamente ele se dirige ao menino da lenha:

– Quer vinte e cinco? Pode botar lá dentro.

O menino abaixa a cabeça, calado. Pergunto:

– Quanto é o coleiro?

– Ah, esse não tenho para venda, não…

Sei que o velho esta mentindo; ele seria incapaz de ter um coleiro se não fosse para venda; miserável como é, não iria gastar alpiste e farelo em troca de cantorias. Eu me desinteresso. Peço uma cachaça. Puxo o dinheiro para pagar minhas compras. O menino murmura: “- O senhor dá trinta…?” O velho cala-se, minha nota na mão.

– Quanto é que o senhor dá pelo coleiro?

Fico calado algum tempo. Ele insiste: “- O senhor diga…” Viro a cachaça, fico apreciando o coleiro.

– Se não quer vinte e cinco vá embora, menino.

Sem responder, o menino cede. Carrega as achas de lenha para os fundos, recebe o dinheiro, monta no burro, vai-se. Foi no mato cortar pau, rachou cem achas, carregou o burro, trotou léguas até chegar aqui, levou 25 cruzeiros. Tenho vontade de vingá-lo:

– Passarinho dá muito trabalho…

O velho atende outro freguês, lentamente.

– O senhor querendo dar quinhentos cruzeiros, é seu.

Por trás dele o pescador de bigodes brancos me fez sinal para não comprar. Finjo espanto: “- Quinhentos cruzeiros?”

– Ainda a semana passada eu rejeitei seiscentos por ele. Esse coleiro é muito especial.

Completamente escravo do homem, o coleirinho põe-se a cantar, mostrando sua especialidade. Faço uma pergunta sorna: “- Foi o senhor quem pegou ele?” O homem responde: “- Não tenho tempo para pegar passarinho.”

Sei disso. Foi um menino descalço, como aquele da lenha. Quanto terá recebido esse menino desconhecido, por aquele coleiro especial?

– No Rio eu compro um papa-capim mais barato…

– Mas isso não é papa-capim. Se o senhor conhece passarinho, o senhor está vendo que coleiro é esse.

– Mas quinhentos cruzeiros?

– Quanto é que o senhor oferece?

Acendo um cigarro. Peço mais uma cachacinha. Deixo que ele atenda um freguês que compra bananas. Fico mexendo com o pedaço de chumbo. Afinal digo com voz fria, seca: “- Dou duzentos pelo coleiro, cinquenta pela gaiola.”

O velho faz um ar de absoluto desprezo. Peço meu troco, ele me dá. Quando vê que vou saindo mesmo, tem um gesto de desprendimento: “Por trezentos cruzeiros o senhor leva tudo.”

Ponho minhas coisas no bolso. Pergunto onde é que fica a casa de Simeão pescador, um zarolho. Converso um pouco com o pescador de bigodes brancos, me despeço.

– O senhor não leva o coleiro?

Seria inútil explicar-lhe que um coleiro do brejo não tem preço. Que o coleiro do brejo é, ou devia ser, um pequeno animal sagrado e livre, como aquele menino da lenha, como aquele burrinho magro e triste do menino. Que daqui a uns anos quando ele, o velho, estiver rachando lenha no inferno, o burrinho, menino e o coleiro vão entrar no Céu – trotando, assobiando e cantando de pura alegria.

(RUBEM BRAGA. Quadrante. Rio, Editora do Autor, 1962)

[caption id="attachment_2047" align="aligncenter" width="436"]Coleiros filhotes - foto Luis Florit Coleiros filhotes – foto Luis Florit[/caption]

Um comentário em “Novos tempos, novas propostas de vida: mas o coleiro persiste!

  • 22/03/2014 em 20:48
    Permalink

    Lindo texto, lindas fotos!

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Codigo de seguranca *